quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Pessoas Especiais

Hoje, quero mostrar a vocês um texto escrito por Cecília Schluepmann, minha prima "de sangue" e, acima de tudo, de coração. Cecília é mãe de duas crianças lindas, uma com necessidades especiais.

O texto de Cecília, que foi publicado no jornal de seu condomínio, fala por si mesmo. Então, não tendo mais nada a dizer, deixo-os com o texto.

"Pessoas especiais

Na minha vida nunca imaginei que poderia ter um filho com qualquer problema que fosse. Eu não queria e não acredito que alguém queira ter um filho especial!

Isto é um fato que acontece com milhares de famílias que de um momento para o outro tem suas vidas totalmente transformadas!

Aos poucos, vamos nos acostumando e aprendemos a decifrar este novo ser e com ele passamos a ver o mundo de uma outra forma. Aprendemos a ter mais compaixão, paciência, respeito ao próximo e a seus limites e acima de tudo a procurar não julgar nenhuma atitude tomada por alguém e a valorizar as mínimas coisas.

Os especiais, dentro de suas fraquezas e vulnerabilidades, são muito fortes! Diante de um mundo que lhes vira a cara o tempo todo, conseguem se divertir e achar alegria em pequenas coisas.

Infelizmente nos deparamos com um preconceito enorme de grande parte da sociedade que, por ignorância, medo ou até por não saber lidar, rejeita e fere não só eles como todos que os amam.

A exclusão é um fato em suas vidas, não adianta termos leis que obriguem as escolas a aceitarem estas crianças se não existirem profissionais dispostos e preparados, não adianta a obrigação de uma cota de funcionários deficientes se estes não forem treinados e preparados para o mercado de trabalho.

Isto tudo é uma exclusão velada...

Gostaria que não fosse preciso viver esta situação para entender estas famílias e ver o esforço que é feito para que os especiais possam aprender a fazer coisas básicas, como andar, falar, comer, usar um banheiro; os enormes gastos com remédios, terapias e cirurgias que na maioria das vezes são necessários, o tempo perdido com diagnósticos errados e tratamentos que não deram certo, a dificuldade para se relacionarem socialmente ou até para poderem ir aos lugares, por serem constante alvo de observação e comentários.

Se prestarmos atenção veremos que eles são verdadeiros heróis que dão um exemplo de superação a cada dia e ao mesmo tempo de coragem por sobreviverem a tantas adversidades.

Da próxima vez que olharem para um deficiente, sejam mais humanos, ajam naturalmente e com o coração...

Dedico aos meus dois filhos Christian e Felipe que são muito especiais!

Cecília Schluepmann"

11 comentários:

Fernanda Cristina disse...

Oi João,
Adorei o texto...
Só passando por uma situação semelhante para nos darmos conta de tudo isso... E acredito que não é por mal que a maioria das pessoas nem pensam nisso. É pela falta de conhecimento mesmo...
Por isso acho o seu blog o máximo... Pois vc está trazendo para a população a chance de conhecer todas essas particularidades...
E quem sabe consegue mudar uma formiguinha neste gigante formigueiro? Sempre é válida!
Beijos com orgulho da sua fisio

Odele Souza disse...

João,

Gostei muito do texto da Cecília. Também me incomodo quando saio com Flavia, ou mesmo quando desço com ela para o jardim do prédio onde moramos e algumas pessoas olham "torto" para ela.

"Os especiais, dentro de suas fraquezas e vulnerabilidades, são muito fortes!"

Concordo. E temos muito o que aprender com as pessoas especiais.

Um abraço pra você e outro pra Cecília.

EVANDRO disse...

Lindo texto João.
Parabéns Cecília, por SER uma mãe especial!

Georgia disse...

Temos que aprender ainda.

Olha, a blogagem da Adocao já comecou. me avisa por favor quando vc vai postar. terei o maior prazer em vir te ler.

Obrigada

Micael Cimet disse...

bom ver voce se expressando.
abraços teu amigo
Micael

entrepontosevirgulas disse...

Oi, João,
Entendo que as pessoas de "olhar atravessado" são as reais portadoras de necessidades especiais. Têm problemas de afetividade e precisam de ajuda profissional.
Bjs
Sonia

peciscas disse...

Mais um testemunho autêntico e tocante sobre cidadãos com necessidades especiais que a sociedade tolera mas não acarinha devidamente.
E a Cecília é, por tudo o que diz e por tudo aquilo que a gente intui, também ela, um ser especial.

João Vicente Lavieri disse...

Amigos,
Desculpem-me pela ausência nos últimos dias. E obrigado pela visitas e comentários.
Realmente, o texto da Cecília é muito bonito e ela, de fato, é uma pessoa e uma mãe muito especial.
Abrs e boa semana a todos!

João Vicente Lavieri disse...

Micael,
Quanto tempo! Que surpresa!
Obrigado pela visita e apoio. É muito bom vê-lo por aqui.
Abraços,

Anônimo disse...

Oii João Vicente,adorei teu blog... muito bom o texto da Cecília.PARABÉNS AOS DOIS.ELA POR SER ESSA MÃE MARAVILHOSA E V. PELO BLOG E INICIATIVA.
BJOSSS

João Vicente Lavieri disse...

Anônimo,
Obrigado pela visita e incentivo. "A casa é sua", viu? Volte sempre.

Bjsss,